jusbrasil.com.br
30 de Março de 2020

O Agravo de Instrumento mudou a minha vida

Lais Camila da Fonseca, Advogado
há 3 meses

Lendo este título você pode estar se perguntando como uma peça processual pode mudar a vida de alguém? E, se mudou, qual foi o impacto criado para que houvesse tal reflexão ao ponto de originar em um texto?

Neste questionamento, há um sentimento que leva a entender que tudo na vida exerce um propósito em que podemos tirar como lição positiva, afinal apenas como o aprendizado que podemos empregar as nossas competências, habilidades, valores, comportamentos que resultam em experiências formadas pelo raciocínio, observação, prática e ensinamento, podemos entender que a vida é um ciclo.

Nada na vida é por acaso e a nossa obrigação interna é observar por fora do nosso contexto para lapidar um ato falho e aperfeiçoar o que temos de melhor, eis que a estagnação é a morte da existência de qualquer ser vivo.

Assim, quando estava num ótimo emprego fazendo assessoria jurídica interna de uma grande imobiliária, me vi em um sentimento de inércia que me fez querer estar cada vez mais perto meu objetivo à época: ser aprovada no exame da Ordem dos Advogados do Brasil e me tornar advogada.

Não havia tempo e momento para estudar, sabia do meu objetivo principal e isso mantinha a minha vontade de fazer o meu melhor no trabalho e na minha vida pessoal.

A minha rotina era composta por sair para o trabalho de 08 (oito) horas diárias, almoçar 15 (quinze) minutos, estudar 45 (quarenta e cinco) minutos restantes do horário do almoço, cumprir o restante do horário do trabalho, chegar em casa para ajudar na construção do lar da minha atual família (eu, meu namorado e meu cachorro) e depois ir dormir exausta.

Toda essa trajetória me faz sentir orgulho do que fui e do que sou hoje e não querer me posicionar em um lugar de pena, afinal tudo que queria estava mais próximo do que eu imaginava e só de haver a ponte para me tornar advogada já era o bastante para que essa rotina não me tirasse dos trilhos.

Então, após passar por esse processo conturbado e estar a três dias antes de viajar para San Andreas/CO, me vi diante da prova mais importante da minha vida: a Segunda Fase da OAB - que nada mais era do que fazer um Agravo de Instrumento – o que me fez entender que em meio da vigência do atual Código de Processo Civil, a banca FGV não queria criar polêmicas então determinou a aplicação desta peça.

Assim, pulei de alegria (na minha mente) ao confeccionar a peça que caiu como uma luva afinal eu estudava (e estudo) Processo Civil como uma facilidade e entusiasmo de uma criança quando lê o Almanaque da Turma da Mônica.

Nos restantes finais da prova o sentimento de dever cumprido me completou e fui viajar com a consciência tranquila, entendendo que tinha feito o meu máximo para que eu pudesse me orgulhar no futuro.

Ao voltar para a rotina, uma semana após ter feito a viagem mais incrível da minha vida, recebi uma surpresa maravilhosa:

Essa oportunidade me fez exercer a minha profissão trabalhando com pessoas incríveis que amavam o que faziam, me fez participar de projetos que fizeram mudanças significativas em causas sociais em Blumenau (LGBTQIA+ e animais), possibilitou a participação de eventos de Direito relacionados a ótica do direito das famílias, empresarial, imobiliária e digital.

Este objetivo me fez crescer muito como pessoa, me fez entender que as pessoas e coisas mudam quando a gente muda. Que se não eu não tivesse tomado a iniciativa para correr atrás dos meus objetivos ninguém correria. Que pessoas acreditam em que emprega o que diz e quando sentem como verdadeira a sua essência o fazem indiretamente querer fazer parte deste ciclo de evolução.

Não estou falando que é fácil e que o sucesso depende exclusivamente da nossa vontade. A existência de rede de apoio é extremamente importante e gratidão é uma dádiva que devemos nutrir sem preconceitos, cuspir no prato de quem deu oportunidades de crescer é desleal consigo mesmo e não gera coisas boas.

Você pode mais do que imagina e trabalhe por aquilo que você ama, afinal podemos e devemos ter orgulho do que é feito com honestidade e verdade... E isso ninguém tira.

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)